O Descobridor de uma paixão…

Todo mundo sempre diz: “Notícia ruim chega depressa”. Chega mesmo, e digo mais: independente da hora que chega, chega doendo. 

Dias atrás fui avisada sobre a morte de um professor dos tempos da faculdade de Jornalismo, e fui avisada por meia dúzia de pessoas ao mesmo tempo. E lamentei seis e mais algumas centenas de vezes, porque não se tratava apenas de um educador, mas de um mestre que, pra mim, algum dia foi simplesmente um professor, que me causava até um certo asco quando falava, porque falava muito e acumulava uma quantidade significativa de saliva no canto da boca. Afe!

Mas, de professor, ele passou a ser o meu “príncipe”, como já era de muitos. Um pouco caquético, talvez muito fora de forma, e com cabelos brancos demais para um príncipe, mas era de uma aura tão encantadora, que fazia a gente acreditar que ele era mesmo encantado.

Beta RadialistaEu estava numa daquelas semanas cansativas de trabalho dobrado, e só não faltava a faculdade quando ia arrastada pela minha consciência. Era dia de aula de rádio e, eu não sabia, mas era dia de apresentação de trabalhos também, o que eu sabia menos ainda é que era o dia da apresentação do meu grupo. Que grupo? Ninguém foi à aula naquele dia. Será por que todo mundo – a não ser eu – tinha conhecimento do trabalho que, por sinal, não havia sido feito?

Já era tarde demais, só eu estava lá, e precisava representar o meu grupo. Pedi, implorei, choraminguei, aleguei que eu não tinha condições de apresentar sozinha,  mas ele não se comoveu. Mandou eu preparar outro trabalho durante a aula, mas permitiu que eu fosse a última a fazer a apresentação. Só eu sei como eu me arrependi por ter ido à faculdade naquele dia, só eu sei…

Lembrei de uma crônica que eu havia escrito naquela mesma semana e publicado no meu antigo blog. Ele concordou que eu aproveitasse aquele texto, mas lembrou que uma das exigências da tarefa era criar um debate acerca do tema abordado. Ufa! Eu não tinha com quem debater, estava no grupo do “eu sozinho”, acreditei que ele finalmente fosse me liberar. Doce ilusão! Ele arrumou voluntários para o debate… vários. E lá estava eu, no estúdio de gravação, com uma folha de papel impresso às presas, com algumas alterações feitas à mão e com a mesa cheia de colegas prontos para colaborar com o meu trabalho, sem receber nenhum décimo a mais por isso em suas avaliações. O Professor Dylmo tinha o dom de conseguir o que quisesse com os seus alunos, tinha vários seguidores, e eu não conseguia entender como aquilo acontecia. Só mais tarde eu compreendi que o que ele formava, na verdade, não eram alunos, mas, verdadeiras equipes.

Beta e Victor na RádioEu nunca fui muito boa em apresentações, sejam elas quais fossem, e eu sempre achei a minha voz horripilante ao microfone, quero dizer, pior do que já é naturalmente. Mas, não tinha para onde correr. Comecei a falar, tremi, gaguejei e pedi para começar de novo. Na segunda tentativa,  magicamente, li aquele texto como se estivesse conversando. O fato de ter sido escrito por mim, me possibilitou criar uma intimidade maior com as palavras, as pontuações e a sonoridade na hora da narração. Consegui relaxar e quando desviei meus olhos  – que estavam fixados no  papel – e dei uma olhada ao redor, observei a cara de admiração de todo mundo, ouvi muitas risadas (a crônica tinha uma tendência um tanto cômica, confesso), e por fim, parei nos olhos do professor Dylmo. Poucas vezes na vida vi um olhar tão brilhante voltado para mim. Entendi na mesma hora de onde vinha aquela luz que eu sentia me iluminando a medida que eu me entrosava com as palavras, com o microfone, com aquele ambiente…

Durante o debate, o clima estava tão descontraído quanto à de uma roda de amigos num boteco. Naquele momento eu havia descoberto a minha paixão por Radiojornalismo. Na verdade, quem descobriu foi o Dylmo Elias, aquele homem de 80 anos, das aulas de rádio na faculdade, da Rádio MEC, das peças de teatro que escrevia e dirigia nos palcos da vida. Foi ele… ele quem descobriu a paixão pela rádio em mim. E no fim da aula, comentou sobre a grata surpresa que teve durante a minha apresentação descontraída, e falou com tanta paixão sobre a magia que existe na profissão de radialista que se eu ainda não tivesse sido mordida pelo bichinho da rádio, eu teria me apaixonado instantaneamente.

Poucos dias depois, eu recebia a ligação da radialista Eliete, da extinta Rádio Haroldo de Andrade, que através da indicação do Dylmo, me convidava para participar do seu programa. E lá estava eu, de gaga à debadetora do programa “Papo Cabeça”, onde era possível ouvir as minhas gafes ao vivo, especialmente quando o assunto era o Presidente Lula, de quem eu reclamava a torto e a direito. Isso até eu ser chamada a atenção durante o intervalo, é claro.

Agora, lembrando com carinho das minhas apresentações na rádio, só eu sei o quanto foi importante ter ido à faculdade naquele dia, só eu sei… e a falta que o Dylmo já está fazendo, muita gente sabe, muita gente…

PS: As fotos foram tiradas pelo fotógrafo André Muzzel, durante uma das nossas apresentações na Rádio Haroldo de Andrade, onde acabei me tornando estagiária, ao lado do amigo Victor Grinbaum (ao meu lado na foto) e uma equipe fantástica, que comandava a programa Agitando a Galera, que ia ao ar todo domingo.

Anúncios

9 comentários sobre “O Descobridor de uma paixão…

  1. nunca escutei tua voz, então sobre isso não posso opinar.
    mas sei que tu tem um dom.
    esse dom das palavras, que faz com que eu leia o texto sobre a morte de uma pessoa que nunca vi e nunca ouvi falar e ainda assim eu possa me emocionar.
    porque o que tuas palavras transmitem é universal. o amor e admiração pelo mestre, tão carente hoje em dia desse tipo de sentimento, e o amor por algo transmitido por ele.

    grande texto Beta. e que o senhor Dylmo descanse em paz!

    beiju

    Curtir

  2. Sempre chamei o Dylmo de mestre. Foi quem me guiou no beabá do radialismo, muito antes que eu sequer imaginasse que eu cairia nessa. Era aquela figura que você e todas as centenas de pessoas que aprenderam com ele se recordam. Mas era acima de tudo um tremendo boa praça. Tanto que ele me permitia certas liberalidades, como imitar o seu proverbial “porrrrrrrrrra”, com os erres rolados na ponta da língua, como se usava nos microfones antigos. Eu brincava com o “porrrrrrrra” dele, pois até os esporros do Dylmo eram radiofônicos!
    Lembro-me de um dia que ele estava especialmente mau humorado, pois havia acabado de chegar da Rádio MEC e descoberto que velhas fitas com programas da vetusta emissora haviam sido apagadas por ordem de um burocrata qualquer: “Porrrrrrrrrra, como podem fazer isso???”
    Vi o Dylmo pela última vez há uns dois meses. Fui visitá-lo no estúdio da faculdade. Batemos papo ao final de sua aula, contei por onde eu andava e o convidei a dar uma passadinha para ver a irradiação de meu novo programa. Não deu tempo.
    Não sei se há rádio no Céu. Mas eu torço muito para que haja. Quero muito que o primeiro Pedrinho da primeira irradiação do Sítio do Pica-Pau Amarelo esteja trabalhando lá em cima. Dylmo Elias trazia o rádio na alma. Nada mais justo que a alma de Dylmo continue sendo o radialismo.

    Curtir

  3. É assim mesmo, quando a gente não está preparada é que aparecem as melhores oportunidades. Se a gente não encara, perde uma grande chance achando q foi melhor fugir.
    E sempre haverá pessoas que enxergam nosso potencial que nunca imáginávamos existir.

    Lindo texto.

    Abraços,
    Raela.

    P.S: Dei uma sumidinha do meu blog, mas retornei. Dê uma passadinha lá, tem um novo texto.

    Curtir

  4. VejaBlog
    Seleção dos Melhores Blogs/Sites do Brasil!
    http://www.vejablog.com.br

    Parabéns pelo seu Blog!!!

    Você está fazendo parte da maior e melhor
    seleção de Blogs/Sites do País!!!
    – Só Sites e Blogs Premiados –
    Selecionado pela nossa equipe, você está agora entre
    os melhores e mais prestigiados Blogs/Sites do Brasil!

    O seu link encontra-se no item: Blog

    http://www.vejablog.com.br/blog

    – Os links encontram-se rigorosamente
    em ordem alfabética –

    Pegue nosso selo em:
    http://www.vejablog.com.br/selo

    Um forte abraço,
    Dário Dutra

    http://www.vejablog.com.br
    …………………………………………………………..

    Curtir

  5. Oi linda…sinto muito…mas com certeza o céu está mais inspirado, pois recebeu mais um mestre. Linda homenagem a alguém que parecia ter uma grande alma. Me emocionei e tenho certeza de que ele também. Beijo grande!

    Curtir

  6. Beta:

    lindas as suas palavras.

    Você fala em SEGUIDORES. Eu era um deles e você sabe disso! Era incrível a capacidade que o mestre Dylmo tinha de enxergar o talento dentro de cada um.

    Como disse o Victor, boa praça, mas não dava mole. Ensinava o que era verdadeiramente o mercado que viria pela frente.

    Fiquei emocionado lendo seu texto. Quero também te dizer que devo começar um movimento lá na faculdade para batizar o estúdio de rádio com o nome do Dylmo. E pra sagrar este momento, quero produzir um programa de rádio especial.

    Conto contigo.

    Se precisar, pega meus contatos com o Victor ou me manda um e-mail.

    Beijão,
    Michel Menaei
    Amigo e ex-produtor do “Agitando a Galera”

    Curtir

  7. Oi Betatinha, hehehe…
    Que lindo cara, mais uma homenagem justíssima ao nosso mestre Dylmo, que aos 80 anos conseguiu fazer com que a “juventuuuuuuude”, como ele mesmo dizia, deixasse de lado pelo menos um pouco a tal da internet, Ipod, Mp qualquer coisa e desse valor e atenção ao rádio.

    Só quem é apaixonado pelo que faz e iluminado como o Dylmo é capaz disso.

    Descanse em paz mestre, e acompanhe os frutos que você com tanto carinho plantou brilhando nas rádios, redações, assessorias e afins desse mundo.

    Curtir

  8. Quando quero ler algo legal? Venho aqui! rs
    Eu literalmente “me sinto” quando vejo os amigos ultra inteligentes e competentes que eu tenho… e só!
    bjo no heart!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s