Quando o sol se despede…

“Não dou muita bola pra essa coisa de natureza, prefiro rua, casas, gente andando nas calçadas para lá e para cá, carros trafegando no asfalto, mas tem duas coisas que eu gosto: árvore e pôr do sol. Nascer do sol também. Mas o problema do nascer do sol é que ele só é interessante durante poucos momentos. Minha mãe gostava de ópera, um dos seus cantores favoritos era o Enrico Caruso e ela gostava particularmente da matinata L’Aurora di Bianco Vestita, de Leoncavallo. Nesta música está dito o problema da aurora. Ela só é agradável de contemplar quando o sol, uma rutilante esfera vermelha, vai surgindo no horizonte, isso dura poucos minutos, logo em seguida a bola vermelha se torna uma brutal fonte de luz branca, apoteótica, impossível de contemplar. É isso: quando a aurora se apresenta de bianco vestita ela fica muito bonita na música de Leoncavallo e na voz de Caruso, mas na vida real fica insuportável. Ao contrário, o pôr do sol vai ganhando beleza continuamente, como aquela beleza que eu estava contemplando, o pôr do sol que nunca agride, a menos que considere uma forma de agressão a melancolia que invade você na hora em que o crepúsculo se instala no mundo antecedendo a noite.”

(O Seminarista – Rubem Fonseca)

Eis que eu caio nas graças do Rubem outra vez… apaixonada. Lendo com voracidade as deliciosas histórias sujas que só ele sabe contar. Dessa vez, um matador profissional que gosta de poesia. Um personagem que não tem escrúpulo, mas sabe admirar o crepúsculo.

Este trecho do livro me fez questionar: quantas vezes eu vi o sol nascendo? Tão poucas que dá para contar nos dedos, todas, porém, em casos excepcionais ou especiais. A verdade é que quando o sol está nascendo, eu estou longe de sentir vontade de estar acordada e se não for por uma viagem, durante um vôo, numa estrada ou por uma noite virada, eu sempre chego depois que o espetáculo termina. Mas o pôr do sol não… esse, se for necessário, eu compro ingresso para assistir de camarote.

O melhor a gente sempre deixa pro final, e talvez o sol saiba disso e faça igual, porque é quando está se despedindo que ele reserva o seu melhor espetáculo. E ainda que seja incrível ao nascer, ele consegue ser ainda mais perfeito quando morre. E contrapondo o que eu disse aqui dias desses, nem toda morte precisa ser, necessariamente, feia ou triste. 

Eu sou noturna, sempre fui, ainda que eu ache as luzes, cores e sabores do dia fantásticos e que eu saiba que algumas atividades são exclusivamente diurnas, os meus dias normalmente são ocupados pela rotina do trabalho, repletos de obrigações que me restringem ao contato com paredes frias e a me contentar – descontente – a ver as cores do dia da janela de algum prédio comercial.

É quando o sol dorme que eu acordo, e o pôr do sol é uma bela maneira de celebrar o começo do meu “dia”. O crepúsculo talvez seja o presságio de uma boa noite. E já que belezas que cegam e agridem não me interessam, eu fico com melancolia de mais uma despedida, que são menos breves.

(sim… sou eu na foto lá em cima, sozinha na platéia do meu show favorito!)

Roberta Simoni

Anúncios

9 comentários sobre “Quando o sol se despede…

  1. Eu falava que preferia o por do sol, ainda essa semana, pra uma amiga. Ela estava me convidando pra passar uns dias na praia e ir bem cedinho, pra ver o dia amanhecer lá. E eu disse: “prefiro ver o sol se pôr”.
    É que o por do sol, lembra da minha infância, quando eu brincava o dia inteiro e no final da tarde, tomava banho e sentava na varanda pra secar o cabelo enquanto a janta ficava pronta. Nessa hora ficava olhando o horizonte que ia alaranjando, avermelhando, arroxeando até anoitecer.
    Nem precisava de música…

    Bjs!

    Curtir

  2. Saudade enorme de ler você.

    Não sei por que, hj eu consegui entrar no seu blog. Havia um problema misterioso que impedia a página de ser carregada.

    Hum… eu também prefiro ver o pôr do sol.

    O nascer do sol apesar de lindo, tem um quê de derrota. Explico: se você vai ver o sol nascer depois de uma festa, isso significa que você não bebeu o bastante, não dançou o bastante e não saiu com ninguém de lá para um lugar mais interessante.O nascer do sol em um dia de semana comum: significa que você tem que acordar muito cedo para trabalhar.

    Enfim. Poderia pensar em outros motivos, mas prefiro terminar dizendo que no final, “tudo depende da companhia.”

    Bjo

    Curtir

  3. Eu gosto do nascer do sol. Gosto de nascer com ele todos os dias. Interpreto cada nascer do sol como “uma nova chance” e cada pôr do sol como “uma chance disperdiçada”. Mas, na verdade, isso que eu estou dizendo é apenas um reflexo do meu estado de espírito xD Pode ser que amanhã eu prefira o pôr do sol – depende de como ele vai nascer.

    Curtir

  4. O breve texto do Rubem Fonseca é muito bom, Beta. Deu vontade de ler o livro quando você citou o personagem. Achei interessate.

    Agora, sobre o post em si, que luta hein? Ter que decidi entre crepúsculo e aurora é sacanagem rsrss Mas depois de pensar muito, acho que eu prefiro a aurora. Não só pela beleza indescritível, mas justamente pelas mencionadas situações excepcionalmente especiais onde ela estava lá.

    Ahh, ia me esquecendo..a foto está espetacular. Sério.

    Beijos

    Igor André!!
    (ordemincaos.blogspot.com)

    Curtir

  5. Talvez por ter sofrido de insônia por anos, eu tenho verdadeiras crises de angústia nas auroras. Prefiro o crepúsculo, pois ele sempre me pareceu mais alvissareiro, prometedor de noites e ajudante de mistérios.

    Curtir

  6. O nascer ou o pôr do sol nada significam de “per si”. A natureza flui independentemente de nós.

    Os significados que lhes atribuímos são… por nossa conta. É possível fantasiar que aquela cor do céu é “para mim”. Que aquelas matizes lindíssimas alvitram “isto ou aquilo”.

    Mas diria que, pedindo desculpa pela nota dissonante, as auroras e os crepúsculos em nós são completamente independentes do ciclo do dia.

    Gosto do seu blog!
    Um abraço.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s