Não quero ter razão…

Resolvo começar a fatiar o meu ano em estações. A quantidade de meses é maior que o número de estações, mas quem disse que quantidade é mais importante do que qualidade? Meses acabam muito depressa, e tantas vezes passam sem que eu sequer os perceba. Mas as estações não… essas são anunciadas pelo céu, pelo mar, pelos ventos e  chuvas, pelas cores, sabores, aromas e termômetros. E elas são, cada uma a seu modo, todas uma delícia.

Eu, que gosto especialmente da luz do outono, acordo hoje com vontade de ficar bonita para a luz dessa estação me encontrar na esquina de casa e realçar a minha alegria de estar viva. Eu, que não sou chegada a combinações, visto meu corpo de acordo com as cores da minha alma, e saio por aí, colorida.

Vou ao encontro de uma amiga querida, decidida a ceder aos encantos gastronômicos da cidade, na nossa livraria preferida. Me dou ao luxo de incluir na conta do almoço mais um livro. E depois compro uma saia rodada de bolinhas, porque não dou ouvidos ao meu senso de ridículo que tenta argumentar comigo. No crédito, por favor !!!

E no meio do dia eu lembro do Dudu e, mais uma vez, penso no quanto eu gostaria que ele não tivesse partido tão cedo. E toda vez que lamento sua ausência, eu levo um susto enorme, como da primeira vez que anunciaram sua morte. Não é como se eu tivesse esquecido, é como se eu simplesmente não soubesse. Já faz quase três anos e eu ainda não entendi direito. Era o nosso artista maior, nosso amigo mais inconsequente, que tinha o perdão de cada loucura só por ser dono do sorriso mais franco, e nós sempre o perdoávamos desde que ele viesse com aquela cara de moleque alegre, com aquele queixo charmoso furado ao meio, de sorriso largo e escandaloso. E com a imagem dele na cabeça, de repente, me pego rindo sozinha…

No caminho de volta para casa cumprimento com sorriros quem por mim passa, mas não perco muito tempo olhando para frente, ando com passos lentos olhando para o topo das árvores da minha rua que já amo profundamente como se tivessem sido, desde sempre, parte da minha vida. Qualquer dia eu acabo caindo, mas tudo bem, meus olhos confirmam que vale o risco.

As nuvens cobrindo o Corcovado anunciam a chuva que está por vir, e a minha casa se enche do cheiro premonitório de terra molhada. Da janela escancarada vejo os pássaros fazendo balé no céu cinza. Descubro que tenho algum vizinho que toca violino e compreendo que não preciso agora de nenhum outro ruído. Só o som do violino, o burburinho da cidade lá embaixo e a calmaria dos meus pensamentos, no ritmo harmonioso dos meus batimentos cardíacos.

Enquanto eu transformo o meu dia nesse cotidiano poético – que, sem causa ou justificativa, escrevo – sou induzida a olhar outra vez pela janela, e lá estão eles, se exibindo: pássaros fazendo questão de me lembrar que sou uma invejosa.

Mente quem diz que não sente inveja. Mente feio. Porque, ainda assim, a mentira não consegue ser tão horrorosa quanto a inveja, que não existe para ser admitida, tampouco assumida. E eu adoro as criaturas que voam, mas também as invejo. E por querer e não poder fazer o que só elas são capazes de fazer no céu é que eu jamais desejaria que elas não pudessem voar ou tentaria impedi-las de tal feito. Gaiola é abuso de poder, e a minha inveja é branca, clara feito neve, dessa cor serena que não é capaz de ser destrutiva, nem jamais pretenderia. Só quero voar com elas, mais nada.

E você quer saber como foi o sonho mais lindo que eu já tive na vida. E chora enquanto eu te conto, e os meus olhos se enchem d’água quando eu agradeço ao universo por me rodear de gente que ainda se emociona, e aí eu penso na inveja preta que muita gente de alma escura sente de mim por viver numa atmosfera tão generosa, e lembro das gaiolas e das mordaças que essa gente me oferece o todo o tempo. E sigo negando todas, com veemência.

E já não vejo mais pássaros, nem nuvens. Já é noite. E eu também gosto do escuro, porque aprendi a conviver com ele. E com o silêncio, e com os sentimentos que não são brancos, nem brandos. Eu vivo em vários mundos simultaneamente, e neles eu descubro do que gosto, do que não suporto, do que preciso, do que dispenso e do que aceito de bom grado. Nos meus vários mundos, eu misturo as estações e consigo viver em todas ao mesmo tempo, e desvendo mais do que vontades ou desgostos, descubro todas as minhas vertentes.

E entendo, finalmente: eu não quero ter razão, prefiro ser feliz.

“Já que sou, o jeito é ser.” (Clarice Lispector)

Roberta Simoni

Anúncios

18 comentários sobre “Não quero ter razão…

  1. Que post bonito, Beta!

    Eu admiro o texto e admiro a companhia daqueles que prestam atenção a detalhes que passam desapercebidos pela maioria das pessoas. O exercício de encontrar o fantástico no cotidiano leva tempo; requer atenção, ânimo e, principalmente, muita vontade de encontrar uma luz de outono especial em dias que às vezes podem parecer cinzas demais. Esforço redobrado – e devidamente recompensado, imagino eu – para aqueles que, como você, possuem mais de um mundo para explorar, e achar um pouco de maravilha que seja em todos eles.

    Enquanto lia seu post, fiquei pensando em um texto que me é muitíssimo caro: seja porque foi escrito pelo meu autor favorito nesse mundaréu de livros que ajudam a compor os meus dias, seja porque ele é também um entusiasta dos detalhes, dos outros mundos, da reinvenção do cotidiano ou seja ainda porque me sinto exatamente do jeito que ele descreveu, e também foi um pouco como me senti quando li o seu texto. Achei que talvez você gostaria de lê-lo também, caso ainda não conheça um senhor muito doce e muito maluco (existe tipo melhor de gente?!) chamado Julio Cortázar: http://migre.me/tts3

    beijo!

    Curtir

    • Gabi (Ventura):

      Você sempre me emociona. E os seus comentários são como uma extensão dos meus textos. Me completam verdadeiramente.

      Mas, dessa vez, minha cara, você se superou. O que é esse texto do Cortázar? Sen-sa-cio-nal. Já li e reli incontáveis vezes (e incansável que sou, pretendo ler mais vezes). Obrigada por esse prato literário delicioso. Comi tudo, me lambuzei e ainda lambi as pontas dos dedos no final. Hummmmm!

      Pra quem ainda não leu, indico a leitura: http://migre.me/tts3

      Beijo enooooooooorme.

      Curtir

  2. Você sempre será uma das minhas melhores inspirações.
    Eu agradeço o dia em que vc me libertou sem querer e
    sem saber, no dia em que entrei no seu blog!
    É tão bom saber que vc me acompanha… Me da força!
    Obrigada pelo apoio Beta!!!
    Vc é um exemploo pra miiimmm!!!

    Curtir

    • Ariane: você é minha menina dos olhos. Não se esqueça disso. Sempre vou te acompanhar, pupila!

      Marcelle: ahhhhh amiga, você precisa escrever com mais frequência. Se escrever, juro que faço sua sessão fotográfica. Que tal? Topa?

      Helena: linda mór, já fui no blog, adorei e comentarei. Muito boa sua versão blogueira. Dou o maior apoio.

      Curtir

  3. Ai.. Ai.. Assim eu paro de vez de escrever no meu!

    Adorei!
    Logo eu tão perfeitinha, tão sem vontade de dar o braço a torcer. Depois do Felipe, sempre que discutimos tento reaprender a frase final sobre felicidade e razão. Mesmo querendo muito continuar sendo feliz, eu ainda não consigo me desapegar da razão.
    Ps: Nesse dia de outono, faltou uma sessão fotográfica! E aí, lembrei que a minha (sua cachorra!) nunca saiu! rs

    bjs

    Curtir

  4. Você se supera a cada dia. Não só na forma de escrever, mas de pensar, de ser. E é por isso que eu te amo MUITO, e tenho “inveja branca” da sua inteligência!!!! rs

    Curtir

  5. Amiga…vc é sensibilidade a flor da pele!! Eu viajo nas entrelinhas dos seus textos.
    Te admiro muiiiiiito, meu orgulho!!!
    Cada dia se supera mais =D
    Bjos da lora

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s