Controlar o incontrolável?

Eu queria ter o controle sobre muitas coisas nessa vida. Já até tive sobre algumas, sobre outras, no entanto, tive quase ou absolutamente nada.

Já controlei raiva, ciúmes, inveja, medo, e até o amor.

Tento constantemente controlar o desejo de comer chocolate. Tento, tento, tento…

Já controlei a vontade de bater, de beijar, de falar, de gritar, de calar, de telefonar, de atender, de ir, de vir. E já perdi o controle também. Às vezes foi bom controlar. Outras vezes foi melhor ainda nem tentar.

Já controlei o meu riso e o meu choro da mesma forma que já controlei o meu gozo e a minha tristeza: por poucos segundos. E senti um alívio profundo ao perder absolutamente o controle.

Não controlei a paixão porque não quis. Ou porque eu gostava de pensar que eu podia controlar. Não podia.

Controlei o amor porque eu quis poupar. Ou porque eu pensava que era amor. Não era.

Tentei controlar o raciocínio lógico e a inteligência emocional. Os impulsos e as expectativas também. Tentei.

Controlei frio com cobertor, calor com mergulho, sede com água, fome com comida e dor com analgésico.

Mas aí eu senti saudades suas…

Roberta Simoni

Anúncios

6 comentários sobre “Controlar o incontrolável?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s