Minhas malquistas e malfadadas listas

Fritando a Mufa

Tudo na vida é questão de prioridades. E toda semana eu faço uma lista enorme delas. Quando chego na semana seguinte, acabo quase sempre repetindo mais da metade dos itens da semana anterior. Já cheguei num ponto em que ter ao menos uma das demandas cumpridas, é uma vitória. Diante disso, venho pensando seriamente em incluir nas minhas listas, coisas do tipo: escovar os dentes e tomar banho todos os dias. Só para poder garantir mais riscos no caderno e obter aquela sensação única de dever cumprido, ainda que a sensação seja meramente ilusória e ilustrativa, porque eu não estaria fazendo nada mais do que a minha obrigação.

A felicidade, meus amigos, está em riscar pelo menos um item na lista de deveres semanais.

E falando em felicidade, eu venho pensando muito nela essa semana e isso, obviamente, vem ocupando meu tempo e me atrapalhando a cumprir minhas metas. A não ser, é claro, que eu inclua agora mesmo na minha lista o seguinte item: “Refletir a respeito da felicidade”.

Eu ando sentindo os dias passando não como quem está na beira da praia e sente a brisa do mar, mas como quem entrou no furacão na segunda-feira e, quando saiu dele, poucos segundos depois, já era domingo. Quando dou por mim, mais uma semana acabou e o meu caderno tá lá, me encarando, repleto de listas de prioridades mais uma vez não realizadas. Prova cabal da minha incompetência em alcançar minhas metas pessoais.

Dois meses para conseguir um horário com uma médica. Duas horas de espera para ser atendida no dia da consulta. Duas semanas para conseguir agendar um horário no laboratório para realizar os exames solicitados pela médica. E apenas dois minutos para a atendente do laboratório voltar com meus pedidos avisando que não foi possível realizar meus exames porque a doutora requisitada os rasurou com liquid paper. Agora eu tenho que conseguir um novo horário com a tal médica, para fazer novos pedidos, para marcar novos exames, para esperar mais dois meses até, por fim, receber um diagnóstico dela. Quer dizer… se o paciente estiver doente, até lá já morreu, né?

Acabo de perceber, aliás, que paciente é chamado assim porque para ser paciente, o sujeito precisa ter paciência em abundância. Qualidade que, infelizmente, não está inclusa no meu pacote, pois trata-se de um combo básico. Por ora, a paciência está para mim bem como os canais da HBO estão para o meu bolso: ainda não tenho o suficiente para adquirir mas, um dia, quem sabe?

Eu tento fugir da burocracia, mas a burocracia, meus amigos, sempre me encontra, até mesmo quando eu tento cuidar da minha saúde. Ela está para mim como um vilão está para uma nação. Um sonho: que a burocracia fosse um vilão do naipe do Bin Laden, que ninguém nunca mais encontrou em lugar algum e, quando encontrou, já estava morto. Aprenda com ele, burocracia.

Acabou de chegar um e-mail na minha caixa de entrada com o seguinte título: “Eu sei o que você NÃO fez no verão passado”. É um e-mail da Gabs, me avisando que sabe que nesse exato momento eu estou fazendo qualquer outra coisa que não inclui estar escrevendo o meu livro. Ela sabe também o que eu não fiz na primavera, no outono e no inverno passado. E, neste inverno, não pareço estar agindo de forma muito diferente do anterior.

Em minha defesa devo dizer que esse esquema de vídeos no Facebook que começam a passar sem a gente dar play não estão colaborando. Quando me toco, já estou entretida (pra não dizer hipnotizada) com outra bagaceira que dificilmente vai acrescentar alguma coisa na minha vida. A propósito, o que eu tenho de inútil para cumprir meus deveres, eu tenho de talento para perder tempo com o que não presta.

Estou há mais de uma semana para responder um e-mail da Namárcia e me escondendo dela por motivos de: vergonha na cara. Respondo uma mensagem no celular que recebi de um amigo. Aí, ele manda de volta: “Beta, tem dois dias que te enviei essa mensagem”. Pois é. Essa sou eu, deixando de fazer bom uso do que há de instantâneo no mundo, com exceção do miojo, que sempre tenho estocado na dispensa para um momento de emergência, que acontece mais ou menos uma vez a cada semana, nos dias em que estou determinada a não cozinhar. Determinação para isso não me falta, diga-se de passagem.

É claro que eu não sou tão imprestável assim quanto estou me descrevendo. No meio de toda essa procrastinação crônica, eu faxino, lavo a roupa, cozinho até com alguma decência, e trabalho, trabalho muito, dentro e fora de casa. Passei as últimas semanas me dedicando à oficina literária de escrita criativa que ministro com a Maria Rachel e devo dizer que ensinar a outras pessoas aquilo que eu faço de melhor é maravilhoso. É a oportunidade de partilhar a minha melhor parte, mesmo quando eu não estou fazendo uso dela em benefício próprio, pelo menos não diretamente. O que eu percebi é que enquanto ensino, além de aprender, eu escrevo um bocado, embora seja restritamente para os meus alunos. Portanto, tem sido deles a maior e mais recheada fatia do bolo.

Talvez se eu incluir “ser uma professora eficiente” na minha listinha, eu obtenha resultados gloriosos. Ou talvez eu perca a eficiência só porque transformei em meta aquilo que funciona perfeitamente melhor fora das minhas listas de tarefas.

Já é segunda-feira de novo e a lista de prioridades desta semana começa assim:

1 – Rever minhas listas de prioridades.

2 – Escrever no blog. Check.

3 – …

Roberta Simoni

Anúncios

6 comentários sobre “Minhas malquistas e malfadadas listas

  1. Prioridades, felicidade, paciencia, procrastinação, vergonha na cara, determinação… É por isso q vc não dá conta. São milhões de informações (e sentimentos) por segundo! A cabeça é grande, mas ainda é uma só. Ainda. 😛

    Curtir

  2. Enquanto amar acordar, respirar e viver estiver em sua lista, todas as listas serão ótimas. E continuamos a ler teus posts com muito prazer até o teu bendito e amado filho literário nascer Beta.

    Curtir

  3. A correria do dia-a-dia nos enlouquece mesmo! Não sobra tempo pra nada.
    Acho que vou adotar a lista de metas escrita! Faço-a mentalmente e, no fim da semana, nem me lembro o que deixei de cumprir! rs

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s