Cinema: Lazer ou Estresse?

Antes de começar este post, preciso fazer alguns avisos:

1 – Trata-se de um relato cotidiano que despertou a fúria dos meus piores monstros, por isso, para quem não me conhece e nunca me viu nervosa, não se assuste. 2 – Eu não sou sou ranzinza o tempo todo, não costumo ser mal-educada e não é sempre que eu perco o controle e deixo o meu lado, digamos, barraqueiro entrar em ação, logo, não chego a representar um perigo para a sociedade. 3 – Não se preocupem, me disseram que isso tem cura. 4 – Me desculpo de antemão pelos palavrões, que serão, sem dúvidas, inevitáveis. 5 – Pai e mãe: não se envergonhem, todos sabem que essa não foi a educação que vocês me deram!

Quinta-feira à noite, eu estava entediada e convidei o namorado para ir ao cinema comigo assistir O Curioso Caso de Benjamin Button. Compramos os ingressos, e antes da sessão, jantamos na praça de alimentação do shopping, fomos a algumas livrarias, mas saí das lojas de mãos abanando, porque todos os livros que eu quero comprar estão bem mais em conta na internet. Sim, eu pechincho!

Comentei com ele que deveríamos fazer sempre isso durante a semana, porque toda vez que vamos ao shopping no fim de semana, eu me irrito com a movimentação, com as filas, com a barulheira, e antes de conseguirmos fazer qualquer coisa, eu já estou implorando para ir embora. É, eu sei, tenho só 24 anos, porém não tenho espírito aventureiro para certas coisas.

Mas o shopping estava calmo e bem longe de estar cheio, e ingenuamente, pensei que o cinema não fosse ficar lotado. Até porque era quinta-feira e a sessão só acabaria perto da meia-noite. Quando deu o horário de começar o filme, para a minha infeliz surpresa, avistei vários adolescentes e até uma criança na fila, que, por sinal, não era uma fila pequena, o que já começou a me fazer questionar a cabeça das pessoas. O que levaria aquelas pessoas a ficarem numa fila se os ingressos são comprados antecipadamente com lugares marcados? Acho que brasileiro está tão habituado a ficar em filas, que fica nelas até quando não é necessário. Afe!

Já dentro do cinema, acomodada no meu assento, com os adolescentes sentados duas fileiras atrás, adultos do meu lado direito (ufa!), e a tal criança que vi na fila – adivinhem! – sentada ao nosso lado, com o pai. É verdadeira a premissa que diz que quanto mais medo você tem de alguma coisa, mais você atrai o que teme. E eis que o cinema ficou cheio. Então, “seja o que Deus quiser”, pensei.

Vale ressaltar que o cinema em questão fica no Morumbi Shopping, que não é um shopping que atende a todas as classes sociais, fica num bairro que tem o seu prestígio em São Paulo, onde espera-se que as pessoas que o frequentam tenham um pouco mais de orientação e educação.

O filme começou e a sala que eu pensei já estar cheia, foi enchendo cada vez mais. Isso mesmo, depois que o filme já havia começado, os retardatários (que não eram poucos) começaram a ocupar os seus lugares, entrando em suas fileiras, atropelando os que já estavam sentados, e impedindo a visão de quem tentava assistir o filme. Tive a impressão de que o shopping inteiro estava dentro daquela sala de cinema, olha o tal “poder da atração” de novo aí…

Eu juro que até esse momento eu estava calma e me comportando feito uma mocinha, apesar de estar pensando que a falta de bom senso das pessoas não têm limites, tentei abstrair e me concentrar para não perder nada do filme, e talvez eu teria até conseguido, se não fosse pela mulher sentada ao meu lado.

Ela simplesmente estava tendo um acesso de tosse, daqueles que acontecem a cada três segundos, e eu comecei a fazer um exercício de meditação: “Calma Beta, ela não tem culpa de estar tossindo, isso poderia acontecer com você!”. Depois de alguns longos minutos de filme, mandei a meditação para a casa do ¨%$@#*&%$*#” e meu cérebro voltou a ser dominado por um turbilhão de questionamentos: “Se essa criatura estava com acesso de tosse por que não ficou em casa? Por que não esperou melhorar para vir ao cinema? Como ela consegue não se se sentir mal por estar incomodando os outros?”

Ela tossia cada vez mais e os intervalos de tosses iam diminuindo, e a minha revolta aumentando. O namorado, ao perceber a minha inquietação, me ofereceu trocar de lugar com ele. Então olhei para o lado dele e vi a criança, recusei o convite e lembrei que quando pensamos que as coisas vão mal, esquecemos que elas podem piorar ainda mais.

Dito e feito. Pouco tempo depois senti que o ataque de tosse da pobre coitada desprovida de bom senso melhorou um pouco, e foi então que as coisas começaram a piorar. Ela intercalava as tosses com os comentários sobre o filme em voz alta com os amigos ao lado. 

Botei a mocinha comportada – que até então habitava em mim – de castigo, e comecei a pedir silêncio. Não adiantou. Desviei os olhos do filme, e virei a cabeça de lado, inclinei meu corpo e fiquei descaradamente encarando a mulher. Absolutamente em vão. Enquanto isso, o garotinho não entendia o filme e perguntava tudo para o pai, que, por sua vez, também respondia em voz alta. Puta-que-o-pariu, por que essa criança não estava assistindo ao Ben 10, Pica-Pau, Pokemon ou qualquer coisa do gênero infantil?

“Calma Beta, calma… amigo, amigo… respira fundo!”. Pensei, mais uma vez: “Beta, é só uma criança que não tem culpa de ter um pai idiota!”. Mas eu mesma me contra-atacava, e pensava: “Uma geração de idiotas criando outra, e eu não sou obrigada a conviver com eles!”. Tive vontade de largar o filme pela metade e ir embora, mas não achei justo com o meu bolso.

O filme teve quase 3 horas de duração, e do pouco que eu consegui assistir, gostei muito. Mas, não conseguia deixar de pensar que eu estava numa sessão de tortura disfarçada de cinema, ou participando de em algum teste de paciência, do qual fui irrevogavelmente reprovada.

O grupo de amigos ao meu lado (todos aparentavam ter mais de 30 anos, para o meu espanto), não contentes em apenas tossir e falar, ainda tentavam adivinhar tudo que aconteceria a seguir: “Quer ver como ela agora vai fazer isso? Aposto que ele agora vai dizer aquilo…”

Meeeeeeeeu Deuuuuuuuuuus, socorro! “Calma Beta, são todos doentes mentais fugitivos de algum sanatório, só pode ser, só pode ser!”

Tirei de letra os chutes que levava na cadeira, de um casal empolgado atrás de mim, mas tive que reclamar, implorando por silêncio mais uma vez, quando a mulher ao meu lado fazia questão de demonstrar suas emoções a cada cena, enquanto tossia: “Óhhh, meu Deus – cof cof cof – tadinho! Que isso, gente? Cof-cof-cof – não acredito!”

Quando o filme terminou e os créditos começaram a aparecer na tela, finalmente consegui o que tanto desejei: silêncio. E alguém falou, admirado: “Nossa, que silêncio!” Eu não me segurei e falei em alto e bom tom: “É, só agora que o filme acaba é que as pessoas resolvem ser educadas!”. Enquanto isso, o namorado se afundava na cadeira, tentando se esconder.

Pausa para uma pequena observação: tive que dar minha mão à palmatória para os adolescentes, que foram os que melhor se comportaram nesse episódio. Sei que já fui adolescente, e espero ter filhos um dia, mas confesso que tenho medo do que posso colocar no mundo quando vejo essa geração que acho, particularmente, alienada e  extremamente irritante.

Os valores estão invertidos, é isso? Eu estou ficando velha? Fiquei desatualizada e não fui avisada que saiu de moda fazer silêncio dentro do cinema? Todo mundo acha isso normal? Só eu que me aborreço?

Sinceramente, tô confusa. Mas, a cada dia que passa, tenho certeza de uma coisa: está ficando cada vez mais difícil viver em sociedade, e se eu pretendo viver por muito tempo e em condições mentais saudáveis, de preferência, preciso me cuidar, para o meu próprio bem. Eu é que preciso mudar e exercitar o meu espírito esportivo, literalmente.

Voltei para casa pensando em aprender metidação ou fazer yoga, quem sabe? Ou será que seria o caso de tratamento psicológico? Podem me dizer o que acham, eu sou forte, vou aguentar!

Roberta Simoni