Nós, heróis.

Quando estudamos roteiro, seja de cinema ou de televisão, aprendemos que toda jornada de um “herói” começa pela recusa. Seja o herói o Superman, o Batman, ou uma pessoa comum com dilemas nada fictícios.

Como muito bem explicava o Décio, meu professor de roteiro: “Estava o mundo posto em sossego quando…”

O herói tá lá no seu mundinho quando, de repente, surge um problema ou um novo desafio e ele se vê obrigado (ou tentado) a enfrentá-lo.

Ele recusa ou demora a aceitar o chamado, geralmente porque tem medo, até que encontra um mentor que o convence a aceitar e oferece ajuda. Normalmente é aquele cara que diz “vai dar tudo certo” e se nada der certo, ele estará lá mesmo assim para dar apoio.

O herói, então, abandona o “mundo comum”, passa por testes, encontra aliados e enfrenta inimigos, obtém êxito em suas provações, se frustra em outras, passa por crises,  pensa em desistir de tudo, mas volta ainda mais forte, preparado para o desafio final, onde coloca em prática todo o aprendizado que recebeu ao longo da trama.

Qualquer semelhança com a sua vida não é mera coincidência…

Enfrentar leões, sacrificar tigres, engolir sapos, comer mosca.

Se a gente não faz isso tudo num dia só, faz pelo menos um deles. Eu, como sou dotada de talentos múltiplos para minúsculos desastres cotidianos, não raro realizo todas essas tarefas num único dia. Nem por isso ganho uma medalha diariamente. Vida de herói anônimo não é mole…

Você pode enfrentar um ou mil leões por dia e normalmente isso depende do estilo de vida que você adota, ou da selva em que você vive, fato é que todo dia haverá um leão que seja para ser derrotado, na espreita para te atacar. Sabe aquela máxima que diz “se ficar o bicho pega e se correr o bicho come”? Então. Algumas vezes não é nem questão de matar ou morrer, mas de se esconder do bicho ou se disfarçar para escapar. E ai de quem disser que criatividade para se livrar de um leão não é atitude heróica!

Sacrificar tigres, na minha opinião, é o mais difícil dos desafios, porque normalmente os tigres que você tem que matar são os que você mesmo criou, viu crescer, deu de comer e quando se deu conta, o bicho ficou maior que você e tentou te devorar. São aqueles defeitozinhos e aqueles medinhos que deixaram de ser “inhos” e tornaram-se a causa de muitos males na sua vida e a única forma de detê-los é sacrificando.

“Dentro de mim morreram muitos tigres, os que ficaram, no entanto, são livres.” Essa frase é do Lau Siqueira (pelo menos foi isso que o Google me disse…), mas quem me mostrou foi a Gabs, e eu achei sensacional.

Engolir sapos e comer moscas é outra coisa que todo mundo faz o tempo todo, uns com mais dificuldade, outros com menos. Eu sou do grupo dos que não engolem sapos com facilidade, tampouco saboreio uma mosca, mas quem disse que consigo escapar disso? Vai dizer que isso não é um ato heróico de todo dia? Só tendo superpoderes para suportar engolir certas coisas a seco…

Todo mundo é muito herói. Cada um com suas batalhas diárias, internas ou externas. A jornada de ninguém é diferente, o desfecho é que muda…

E o que a gente sempre torce é para que o herói vença no final.

Roberta Simoni