Temporada das Flores

 Sou Flor

Hoje o dia amanheceu chorando. Ele chora porque se despedir nunca é fácil. E a despedida do inverno não poderia ser de outra forma, senão chuvosa.

Eu aproveitei a chuva e também me despedi, com lágrimas que se misturaram e se perderam propositalmente entre as gotas de chuva que escorriam pelo meu rosto. E era do inverno que eu também me despedia, do frio que fazia lá fora, e aqui dentro… de mim. Porque até os dias frios deixam saudades, ainda que este inverno tenha sido o mais impetuoso que me lembro ter enfrentado. Naqueles dias em que casaco nenhum me aquecia, este inverno me pareceu ainda mais longo e rigoroso. E foi.

Apesar do excesso de chuvas, das nuvens cinzas, do sol que mal aquece – quando aparece -, eu gosto do inverno. Nessa estação que, por algum motivo, eu cheguei ao mundo, o frio aproxima, facilita e sugestiona o calor humano. Mesmo assim, eu esperei ansiosa a chegada da primavera este ano…

E hoje eu decidi: essa será a minha primavera mais linda !!!

Quero flores pela casa, pelas árvores, nas ruas, espalhando pétalas pelo chão do mundo, colorindo a vida. Quero cheiro de jasmim, tulipas nas janelas, sol de girassol, jardins de lírios e delírios, mar de violetas, “copos de leite” pela manhã, rosas vermelhas para eu me apaixonar todos os dias e orquídeas pra me lembrar que apesar de rara e frágil, é também cheia de beleza essa vida.

É ela, a temporada das flores, que me faz querer guardar os agasalhos no fundo do armário, despir a alma mais uma vez, vestir-me de flores, num vestido rodado, bem colorido, de estampa florida e sair por aí, destribuindo cor, graça e o meu melhor sorriso. 

E se me colocarem num vaso, serei o enfeite mais orgulhoso do ambiente, ou ainda, se me plantarem num jardim e em mim pousarem, me alegrarei em ser néctar que alimenta e adoça outras vidas…

Ontem eu fui chuva, hoje eu sou flor de primavera.

“Que saudade!
Agora me aguardem
Chegaram as tardes de sol a pino
Pelas ruas flores e amigos
Me encontram vestindo
Meu melhor sorriso.

Eu passei um tempo
Andando no escuro
Procurando não achar as respostas
Eu era a causa e a saída de tudo
E eu cavei como um túnel
Meu caminho de volta.

Me espera, amor
Que eu estou chegando
Depois do inverno
É a vida em cores
Espera, amor
Nossa temporada das flores…”

Roberta Simoni

Qual a face da paixão?

Face de Mulher

Que dias felizes eram aqueles. Naquelas tardes preguiçosas de fim de inverno, com a primavera começando a florescer nos corações, havia um clima diferente no ar, uma magia que Tobias não sabia explicar, só sabia sentir. Na verdade, nem sentir ele sabia, porque era maior do que ele. Não cabia na alma, fugia do controle e do espaço limitado do coração. Era sentimento novo e, por isso mesmo, era muito gostoso.

Ele fechava os olhos e se esforçava para lembrar do rosto dela. Ia buscar lá no fundo da memória, mas não encontrava nada. Só lembrava de detalhes: da cor da pele clara e dos cabelos escuros e encaracolados, das bochechas rosadas, do nariz arrebitado, da boca pequena, dos olhos castanhos e grandes. Até do cheiro ele lembrava, e, quando pensava nele enchia o pulmão de ar, respirando tão fundo que era capaz de sentí-lo, mesmo só tendo sentido o cheiro dela de fato uma única vez, quando a viu também pela primeira vez.

Ele tentava juntar cada detalhe que lembrava para construir o rosto dela, em vão. Mas, às vezes, no meio do dia, inesperadamente, durante uma atividade rotineira, o rosto dela surgia no meio de um pensamento, mas antes que ele tentasse registrar a imagem, em milésimos de segundos, ela desaparecia. Era um espasmo de felicidade que se prolongava pelo resto do dia, e o efeito que isso causava em Tobias era visível: olhos caídos, cara de bobo e sorriso no canto da boca, sem o menor motivo aparente.

Um dia eu falei pra ele: “Tobi, você está apaixonado, sei que está!”. Ele nem hesitou ou tentou negar, se aproximou e confessou falando baixinho comigo, justificando-se ao mesmo tempo: “Ahhh, mas ela é tão… tão… linda! Bom, eu acho, porque não consigo me lembrar do rosto dela, mas acho que é, senão eu não teria me apaixonado, não é mesmo?”.

Eu conhecia bem aquela sensação, apesar de me lembrar vagamente de como é sentir “paixão sem cara”: a melhor que existe, definitivamente! Lembro-me de ficar irritada e inconformada, por gostar tanto de uma pessoa e, mesmo assim, esquecer o seu rosto. Hoje eu acho tudo isso tão divertido! Simplesmente fechar os olhos e pensar em alguém – com ou sem um rosto propriamente dito -, tentar adivinhar as informações que o cérebro não registrou, ou registou, mas guardou para o final, como a gente guarda o último pedaço do doce preferido.

Mas hoje Tobias está sóbrio. Casou-se com Clara, aquela de quem o rosto ele não se lembrava. Final feliz? Tenho lá minhas dúvidas. Agora ele nem precisa mais fechar os olhos para lembrar-se dela, inclusive, acho pouco provável que gaste alguns minutos do seu dia para suspirar por Clara. Não, não é que ele não a ame, ele ama, só não está mais embriagado.

É só um homem entre tantos. Não há mais sintomas de paixão, nem sequer sinais. O Diagnóstico? Bom, ele – infelizmente – está curado.

Roberta Simoni