Bonequinha antiga

Barbie Idosa

Eu precisava enviar um trabalho por e-mail com uma certa urgência, e na falta de internet, fui ao cyber mais próximo. Sentei na única cadeira disponível, porque todas as outras estavam ocupadas por adolescentes que jogavam algum jogo na rede, gritavam e pulavam de excitação. De repente, o computador que eu usava travou. Já estava indo chamar o rapaz da recepção para liberá-lo pra mim, quando o moleque sentado ao meu lado, fala: “É só clicar aqui, tia!”

É nesse exato instante que você percebe que está ficando velha: quando um adolescente que tem o dobro do seu tamanho te chama de tia! T-i-a… como assim, gente?

Aliás, abrindo um breve parêntese – adolescentes deveriam viver em isolamento até alcançarem a idade adulta. Eu sei que é uma forma egoísta e obscura de pensar, mas eu não tenho domínio sobre meus pensamentos e vontades. E eu sei também que eu já fui um deles um dia. Ninguém precisa me lembrar disso, até porque eu não me esqueceria, mesmo que me esforçasse muito! – Pronto, fecha parêntese.

Você desconfia que está ficando velha quando liga para seus amigos e os convida para ir a um café, de preferência dentro de uma livraria. Ou quando prefere sentar num bar a ir numa boate lotada, preferencialmente um bar com uma música não muito alta para conseguir conversar à vontade.

Percebe que está ficando ultrapassada quando começa a usar demais os termos “no meu tempo”, “naquela época”, “antigamente”…

E se o galã que já te arrancou suspiros na sua adolescência e te fez assistir o mesmo filme 198.214.678.334.154 vezes agora está envelhecido, significa que você está indo para o mesmo caminho, minha amiga!

Patrick Swayze

Se ele for Patrick Swayze, que te fez assistir Dirty Dancing 18 vezes (contadas a dedo!), morre aos 57 anos, e te deixa órfã, chorando sozinha, de boca aberta em frente à televisão depois de receber a notícia, pode ser mais grave ainda: além de velha, você está ficando dramática.

Quando você começa a ir a inúmeras festas de casamentos dos seus amigos ou quando eles começam a virar papais e mamães, e você ainda está longe de querer fazer qualquer uma das duas coisas, cuidado: você pode estar ficando para titia.

Quando você encontra aquela mini-saia no fundo do armário, perdida há anos, olha pra ela e pensa: “adoro essa saia, mas eu ficaria ridícula nela hoje em dia (até porque, provavelmente, ela nem caberia!).” Bingo! Esse é o tipo de senso crítico que se encaixa perfeitamente à mulher madura!

Pois é, a boneca aqui já não é mais a mesma… separou a mini-saia para a doação; ainda não se conformou com a morte do galã preferido;  já é “tia” de marmanjo; coleciona gírias antigas; não troca um café numa livraria por nenhuma “baladinha”, mas veja a Barbie, por exemplo, é antiga, mas nunca sai de moda, portanto, nem tudo está perdido… tia!

E é claro que eu não ia perder a oportunidade de rever com vocês (mais algumas vezes, só algumas…) uma das minhas cenas favoritas de Dirty Dancing, né? Ai, que delícia!

Roberta Simoni