Sobre estilos de vistas e vida

Na minha janela de cima, por Rapha Puttini.

Essa semana recebi a visita de um amigo que todas as vezes que vem na minha casa, vai até a minha janela, se escora e diz – olhando lá pra fora – o quanto adora a minha vista.

Moro nos fundos de um andar alto de um prédio que dá para um conjunto de outros prédios, então, a minha vista é basicamente um emaranhado de janelas que estão a uma distância razoavelmente saudável da minha, para o bem da minha privacidade, contando, é claro, com a ajuda da minha super cortina blackout.

Eu, que sou vizinha de bairro dele e que já tentei me tornar vizinha de porta algumas vezes por conta da vista que ele tem lá, quis entender porque ele gosta tanto assim do que vê pela minha janela, considerando que ele mora de frente para o Aterro do Flamengo, num andar também alto, com direito a parque, praia e Pão de Açúcar de fundo. Sempre que vou visitá-lo, faço questão de manter nossas conversas ali, à beira da janela, para apreciar a paisagem enquanto falamos meia dúzia de bobagens.

Porque a minha vista é linda, mas estática, com o tempo enjoa. A sua não, ela não é linda, mas muda o tempo todo. – ele respondeu.

Ele tem razão. O que se vê aqui é a vida acontecendo dentro de cômodos emoldurados por centenas de janelas. São como quadros onde as pinturas se movem, acordam, assistem televisão, jantam, dormem. Sempre há o que ser visto. Paisagem feita de gente é, inevitavelmente, mutável e certamente mais variável do que o morro Pão de Açúcar. Ainda assim não sei se eu trocaria a vista dele pela minha. Mas é aquilo: a grama do vizinho é sempre mais verde, a vista é sempre mais bonita e por aí vai…

Mas o que eu adoro mesmo na minha vista é a maneira como ela fica linda todas as madrugadas. Gosto de contar quantas janelas ficam acordadas. Duas, três no máximo. Afora os dias de futebol, tenho vizinhos pouco barulhentos e que aparentam dormir cedo. Sobram só alguns poucos apartamentos com luzes acesas e muito silêncio. E eu, na penumbra do meu, pensando sobre “a vida, o universo e tudo mais”, olhando as estrelas e escutando a cantoria dos morcegos que, assim como eu, vivem enquanto o mundo dorme.

Ainda há pouco o técnico da Net esteve aqui para consertar meu aparelho, já estava anoitecendo e ele parecia bastante incomodado com o barulho dos morcegos. Expliquei que isso acontece pela proximidade do parque. Ele perguntou se eu não tinha medo de deixar a janela escancarada desse jeito. Respondi que não. E de morar sozinha, você não tem medo? Respondi que medo, medo mesmo eu tenho é de gente.

Ele me olhou estranho. Tinha qualquer coisa de compaixão ali. Deve ser triste viver só, comentou. Não moço, eu moro só, mas não vivo, além disso, eu gosto. Ele disse que jamais conseguiria morar sozinho e contou como é animado o lugar onde ele vive, como os vizinhos são legais e como são divertidos os domingos lá, com churrasco e som alto até tarde.

Terminou o serviço e foi embora sentindo dó de mim. E eu dele.

Roberta Simoni

Que gozem!

Mania de levar tudo pro lado maldoso/sexual da coisa,  tsc tsc tsc… (eu diria até o lado booooom da coisa, mas, enfim…)

Ainda agora eu senti o chão tremer. Não vou mentir, a primeira coisa que pensei foi: “tem gente transando”. Mas aí o chão parou de tremer, e nem a mais rápida das rapidinhas poderia ser tão ligeira. Imediatamente me reprimi por deixar, mais uma vez, meus pensamentos terminarem em sexo.

Minutos depois, além do chão tremendo, parecia que alguém estava pregando um quadro na parede. Caramba, mas são 3h da manhã, ninguém faria isso a essa hora!

Fui para a janela e… bingo! Meus vizinhos de baixo estavam transando, loucamente, diga-se passagem. E ainda estão.  Tudo por aqui continua tremendo enquanto escrevo, ao som de gemidos e “marteladas”.

Aquela pequena pausa deve ter sido um breve espaço de tempo entre o ensaio e o espetáculo, que já dura mais de duas horas. Uau, meu vizinho não é fraco, não!

Acho que gozaram, lá pela enésima vez. A verdade é que eu esqueci de contar, e se não fosse pela ausência de cálculos, estaria me sentindo agora a própria Amélie Poulain.

Depois de tanto tempo escutando essa sinfonia harmônica é inevitável pensar na minha personagem favorita do cinema. Um dos prazeres de Amélie era esse: escutar os orgasmos vizinhos, e ela não só escutava como contava todos, um por um.

Um modo de passar o tempo que muita gente pode julgar obsceno. Eu considero divertido. Obsceno é diminuir o volume da tevê para escutar a briga dos vizinhos ao lado. Coisa que eu já fiz, e não me orgulho nem um pouco disso.

Mas e aí? Qual é a graça de ver ou ouvir gente brigando por aí? Que os brigões fiquem longe de mim. Mas se tiverem que transar por perto, tudo bem, eu não me importo.

Ficar ouvindo briga de casal é quase como ver uma ambulância socorrendo feridos na estrada e parar o carro só para olhar os acidentados. Vai ajudar? Não! Então, muito ajuda quem pouco atrapalha. Não foram poucas as vezes que enfrentei engarrafamentos quilométricos por conta dos curiosos que empacam o trânsito só para testemunharem a dor dos outros. Tenho vontade de passar por eles e perguntar: “e aí, foi bom para vocês?”

Tenho um palpite: acho que esses sujeitos são os mesmos que interfonam para reclamar com os vizinhos que trepam de madrugada, ou fazem queixa para o síndico, incomodamos com os efeitos sonoros das trepadas alheias. Pra mim isso é um baita atestado de uma vida sexual ruim, ou pior: inexistente.

É claro que existem casos e casos e, se o casal se excede na empolgação, vale dar um toque, mas não é o caso dos meus vizinhos de baixo. Eu só posso ouví-los tão bem porque estou insone, com a janela de cima aberta (a real e a virtual) e também porque desliguei as caixinhas de som do computador, que tocavam Norah Jones, mas achei que a trilha sonora não combinava muito com a ocasião.

Casais transando existem aos montes por aí, nesse exato momento vários devem estar fazendo o mesmo exercício que os meus vizinhos de baixo. Brigando idem. Muitos devem estar caindo no tapa agora. O que é preferível? Saber que duas pessoas estão se desfazendo em lágrimas e ofensas ou se acabando de tanto prazer?

Eu, assim como Amélie Poulain, prefiro ser testemunha de orgasmos… eles que, inegável e indiscutivelmente, são a excelência em gozar a vida.

Roberta Simoni

Bom dia para você também!

Despertador

Como alguém pode acordar tão bem-humorado??? Eu juro que eu me esforço para entender, mas não consigo.

Eu acho o máximo quem consegue acordar sem muito esforço, que sequer precisa de um relógio para ser despertado, e mesmo quando precisa, levanta super disposto e animado. Eu imagino – e só imagino, pois nunca vivi algo semelhante a nada disso – o quanto deve ser bom começar o dia assim.  Acho lindo, e até poético. Parece comercial de margarina!

Enquanto eu levanto todos os dias me arrastando até o banheiro feito um réptil, questionando a razão da minha existência, implorando a Deus para eu conseguir abrir meus olhos. Depois acabo sucumbindo, me jogando de volta na cama, desejando mais alguns míseros minutinhos de sono, como quem deseja ganhar na mega sena.

Enquanto isso, ouço o meu vizinho de cima cantarolando junto com os passarinhos assim que o dia clareia, feliz da vida. Faça sol ou faça chuva, seja domingo ou seja segunda-feira, ele liga o som no último volume e canta junto com a música, e consegue ser mais eficaz e irritante que o meu despertador. Cada dia é um repertório diferente, mas nada me agrada, porque, na verdade, mesmo se ele colocar Norah Jones para tocar, ele vai cantar – “desafinadamente” – com ela, e vai me irritar do mesmo jeito. Mas hoje… ah, hoje ele conseguiu se superar!

Hoje eu fui acordada pelos Raimundos e ele, cantando Complicada e Perfeitinha, ele berrando mais que a bateria, a guitarra e o vocalista dos Raimundos juntos, e vibrando com enooooormes espasmos de  “Uh-huuuuuuuuuuuuuuuu!!!”. A cada “uh-huuuu” dele eu dava um pulo, sem saber direito onde eu estava e quem eu era. Depois que despertei de vez e consegui me localizar no mundo, fiquei sentada na cama, olhando para a parede e questionando se toda aquela alegria e entusiasmo eram passíveis a um ser humano normal, que acabou de acordar.

Por mais que, às vezes, tudo que eu fale possa parecer irônico, falo sinceramente quando digo que admiro quem consegue acordar com disposição… quisera eu!

Mas até para isso há limites. Uma coisa é acordar feliz e disposto, outra coisa é acordar feito uma gazela-saltitante-desafinada-cor-de-rosa-drogada-no-cio.

Bom dia para você também, querido vizinho. E vá pro diabo que te carregue…

Roberta Simoni