E o tempo levou…

“O tempo leva um bocado de coisas, mas tem coisas que só o tempo trás.”

Tempo Perdido

Não lembro onde li essa frase, ou talvez eu tenha escutado alguém dizer, de qualquer maneira não recordo sequer quem disse, mas as palavras ficaram guardadas…

Tá bom, tá bom… eu confesso que anotei, pronto! É que tem muita coisa interessante que leio e/ou ouço por aí, mas como nunca tive uma memória confiável, prefiro contar com uma folha de papel e uma caneta, tanto que se eu não tivesse anotado, não teria essa grata surpresa ao abrir o meu velho caderninho de anotações, aliás, esse é um que o tempo ainda não levou, apenas sujou as folhas com tinta de caneta, gastou e envelheceu…

Mais ou menos o mesmo que vem acontecendo comigo, embora isso não seja novidade, já que o tempo passa pra todo mundo (ainda que de maneiras diferentes para cada um). O problema é quando a gente começa a sentir o efeito do tempo, e não estou me referindo só aos fios de cabelos brancos, às rugas ou à saúde que começa a apresentar sintomas de DNA (“Data de Nascimento Avançada”… Afe, que piadinha mais cretina!). Me refiro aos sinais invisíveis.

Quando você é criança, pode contar nos dedos quantas pessoas conheceu que já morreram. Um dia você cresce, e, durante a vida adulta perde a conta de quantas vezes precisou e ainda precisará lidar com a morte, considerando o tempo que lhe será dado de vida.

Me refiro a morte porque não consigo pensar em nada mais doloroso, mas não são só as pessoas que morrem, e não é só a morte que nos faz perder. E, mesmo perdendo, muitas vezes, a gente ganha.

Hoje eu senti falta de tantas das minhas coisas, coisas pequenas que fizeram parte do meu dia-a-dia. Mas eu deveria saber que quando se vive com uma mochila nas costas – carregando, basicamente, minha vida “resumida” dentro – , não se deve apegar à lugares, bens materiais ou costumes, porque se o tempo não os leva, você acaba partindo e deixando-os para trás de qualquer jeito.

Só que às vezes eu acordo assim, melancólica, pensando no que eu tive e não tenho mais, e aí bate uma vontade incontrolável de reviver um monte de coisas, mas já foi, passou… o tempo levou e não vai trazer de volta, e, no fundo, é bom que não traga, porque ele passa ligeiro, corre mais depressa  que o ponteiro que marca os segundos e, por isso mesmo, é tolice viver preso ao passado que, como o próprio nome diz: passou.

Eu falo isso para que eu mesma consiga assimilar e, quando isso funciona, a melancolia se inibe e dá espaço a uma euforia que eu mal consigo conter, uma vontade louca de descobrir o que o tempo vai me trazer desta vez. Aí eu cruzo os dedos feito criança pequena, torcendo para que sejam agradáveis surpresas, mesmo que me rendam futuros dias de nostalgia. Afinal, tudo o que é bom se torna nostálgico.

Roberta Simoni

Anúncios

4 comentários sobre “E o tempo levou…

  1. As vezes eu também acordo melancólica, e no momento que lembro que tudo já passou, só me resta aprender que devemos valorizar ao máximo nossas conquistas…pois elas retornarão algum dia, talvez só pra verificar se foram realmente VIVIDAS!

    Grande Abraço!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s