Procura-se Sentido


Amelie Poulain

Os sábios dizem que a gente veio ao mundo para aprender. Os religiosos defendem a ideia de que viemos ao mundo para evoluir. Os espiritualizados dizem que reencarnamos para queimar carmas. Os cabalistas acreditam que estamos aqui para receber e compartilhar luz. Há, ainda, quem garanta que pedimos para nascer, que escolhemos estar aqui e passar por tudo o que passamos. Não sei a resposta, mas todas essas alternativas fazem muito sentido pra mim, embora a vida, boa parte do tempo, não me pareça ter o menor sentido.

Na minha inocência infantil, eu passei muito tempo achando que eu tinha vindo parar aqui para ser feliz, quando, por fim, notei que felicidade é coisa que dá e passa, assim como os sentimentos de todos os gêneros. Mas então, peraí… a gente tá aqui para sofrer? É isso? Também não. Mas para ser feliz, garanto que não é. Se fosse, felicidade seria uma conquista ou um direito de todos, seria como na música do Chico: “(…) e pela minha lei, a gente era obrigado a ser feliz.” Somos obrigados a fazer uma lista infinita de coisas, muitas em nome da lei, mas cadê a lei que obriga a gente a ser feliz. Cadê?

Vai daí que um belo dia você acorda e descobre que tudo é cíclico. O que é bom por um lado, pois ganha a compreensão de que não há mal que seja eterno, e ruim por outro lado, pois entende também que não há bem que dure para sempre. Ok, entendi, vida. Mas e quando a gente cansa dessa gangorra interminável que é você? Eu, inutilmente, por vezes peço para o mundo parar porque eu quero, desesperadamente, descer. Mas o mundo continua ali, me ignorando e rodando, me ignorando e rodando. Porque, né, eu tô longe de ser o centro do universo.

Uma vez, no parque de diversões, eu fiz um brinquedo parar para eu descer. Aos berros e prantos, sem me importar com a vergonha de expôr o meu medo diante de todo mundo, esgoelando a minha coragem, firmada com tanto afinco após tantas subidas em grandes árvores e escaladas de altos muros, sem me importar com a chacota das outras crianças, eu não dei outra alternativa ao maquinista senão parar a geringonça que me jogava para o alto e para baixo, de um lado para o outro sem parar. Quem dera a vida fosse um parque de diversões. Mas aqui não tem pirraça que faça mudar o curso natural das coisas, não há maquinista que se sensibilize com meus singelos apelos.

Aí a gente acorda, come, toma banho, trabalha, estuda, toma banho, come, dorme e no dia seguinte faz tudo de novo e depois e depois. Tudo isso sem sequer parar para pensar no sentido de cada ação. Nesse intervalo, a gente ri, chora, se sente feliz, triste, animado, frustrado, excitado, angustiado, eufórico, indisposto. Vazio de tudo, cheio de nada, vazio de nada, cheio de tudo.

De repente, um sorriso muda tudo, um beijo, um olhar de cumplicidade, um pôr-do-sol, uma palavra, uma noite bem dormida, uma boa notícia, um orgasmo. Um único gesto traz de volta o sentido de tudo e outro, lá na frente, rouba o sentido das coisas novamente. Um acontecimento ou um não acontecimento. Gangorra acima, gangorra abaixo. Sobe e desce. Vai e volta. Perde e ganha. Cai e levanta. Até o fatídico dia em que a gente não levanta mais. Tudo vira pó, açúcar, nuvem. Lembrança e saudade pra quem fica aqui, de pé.

Vida, essa sucessão de batalhas físicas e psicológicas das quais enfrentamos sem compreendermos nem a metade. Esse mistério que eu nunca vou conseguir desvendar, mas não sem protestar por uma pausa, uma descida do balanço, um tempo da gangorra, um bocado de dignidade e algumas porções (mesmo que venham em pequenos frascos) de qualquer coisa parecida com equilíbrio.

Ah… e o sentido? Bom, acho que só tem um: pra frente.

Roberta Simoni

Anúncios

9 comentários sobre “Procura-se Sentido

  1. Nesse momento você me obriga a questionar o que era inquestionável. Tinha certeza que tudo sempre fez sentido, e agora, nada mais faz sentido. Mas uma coisa é muito certa: agradeço aquele outubro, aquela campanha política, aquele encontro nada programado, onde eu retornava de uma externa, e recebi a notícia que seríamos da mesma equipe de trabalho! Foi naquele período curto e de convívio intenso, que tive o privilégio de conhecer sua paixão pela escrita, pelo texto, pela fórmula simples de contar histórias… Como diz um outro grande amigo, “nada substitui o talento”. Parabéns por mais esse texto lindo! Beijos.

    Curtir

  2. “Uma vez, no parque de diversões, eu fiz um brinquedo parar para eu descer. Aos berros e prantos, sem me importar com a vergonha de expôr o meu medo diante de todo mundo, esgoelando a minha coragem, firmada com tanto afinco após tantas subidas em grandes árvores e escaladas de altos muros, sem me importar com a chacota das outras crianças, eu não dei outra alternativa ao maquinista senão parar a geringonça que me jogava para o alto e para baixo, de um lado para o outro sem parar. Quem dera a vida fosse um parque de diversões. Mas aqui não tem pirraça que faça mudar o curso natural das coisas, não há maquinista que se sensibilize com meus singelos apelos”

    Então, pare, respire, recue, e quando se sentir motivada – dê sentido “para frente”.
    O clichê a gente já conhece, mas é fato, aqui e em todo lugar, na ordem natural das coisas, pelo menos hoje, nesse lugar, perfeição não há.
    Então pense simples… você pode ter vários sentidos pra escolher – meio, frente, atrás, lados – norte – sul – leste – oeste – sair de orbita e voltar.

    Te adoro.

    Curtir

  3. Migs,

    para mim SENTIDO mesmo (assim, em caps) a vida não faz – e certamente não brota do chão – a menos que, imagino, você decida abraçar alguma religião. Se é pra continuar “apartidária”, acho que a gente mesmo é que tem que arregaçar as manguinhas e dar o próprio sentido à existência. Sim, isso é um pouco broxante, especialmente para quem não se tem em tão alta conta, mas vamos lá, somos adultos e bem ou mal, responsáveis (eu sei, eu sei, isso é uma droga). Amor, hedonismo, arte, política? A gente é que tem que escolher as bandeiras. Não existe exatamente uma resposta errada – a menos que, é claro, você queira dedicar a vida a perseguir outras pessoas por conta de raça, orientação sexual, picuinhas aleatórias ou maltratar gatinhos, esse tipo de coisa que faz de uma pessoa um completo desperdício de DNA.

    No mais, acho que precisamos não perder o foco sobre como, diante do universo somos tão pequenos e ainda assim capazes de coisas que parecem tão grandes – e são, são grandes sim. Deixo o link aqui de um dos discursos que mais me emocionam nessa vida, que já sei quase de cor e faço de tudo para não esquecer – http://www.youtube.com/watch?v=EjpSa7umAd8

    Todo o meu amor,

    G.

    Curtir

  4. “PRA FRENTE !” é isso Beta.
    Eu completo com Pra Cima ! Pros lados ! Pra Fora !
    Pra o Bem 1 Pra o justo ! Pra o Amor 1 Pra Paz ! Pra Esperança ! OU vamos ser do contra ? já tem gente demais do contra. Vamos pra frente !!

    “Não importa onde você quer chegar, ir é fundamental”.
    essa é sua forever em mim.

    Sou Cristã, e digo: não é religião o sentido da vida, a religião por si só, quem for atrás de religião em busca de sentido não acha. Somos nós que fazemos o sentido de tudo que livremente escolhemos. Nós. Acreditando de Verdade e fazendo nós com que tenha sentido o que “achamos “tão lindo. Não adianta achar lindo se cada um não fizer com que tenha sentido.

    abraço querida escritora.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s